Análise da série The Walking Dead (1ª temporada)


Durante uma operação para interromper a fuga de três bandidos, o policial Rick Grimes (Andrew Lincoln) é baleado e levado até um hospital. Quando acorda do coma, Rick encontra um mundo completamente diferente daquele que ele tinha visto pela última vez. Andando pelos corredores do hospital, ele se depara com um lugar completamente abandonado e destruído. Chegando no lado de fora, as pilhas de corpos eram um indicativo da gravidade da situação. Os veículos indicavam que os militares em algum momento estiveram na área, mas agora não havia nenhum sinal deles.

Sem entender nada do que estava acontecendo, Rick vai até a sua residência na esperança de achar sua família, mas o que ele encontra é uma casa totalmente revirada. A ausência de fotos no ambiente sinalizava que Lori (Sarah Wayne Callies), sua esposa, e Carl (Chandler Riggs) seu filho, haviam deixado o local propositalmente, mas não havia como ter certeza disso. Ao sair da casa, o policial é abordado por Morgan (Lennie James) e seu filho Duane (Adrian Kali Turner), que lhe prestam auxílio, já que ele estava fraco fisicamente, e contam o que aconteceu no período em que ele esteve desacordado.

Sem ter a mínima ideia do paradeiro da esposa e do filho, Rick decide partir para Atlanta, depois de Morgan dizer que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças havia criado uma zona de quarentena na cidade. Se Lori e Carl haviam procurado um lugar seguro quando tudo começou, a chance deles estarem em Atlanta era muito grande. Antes de seguir adiante, Rick vai até a delegacia pegar as armas que ainda estavam lá e, como forma de agradecimento, compartilha com Morgan algumas delas. Os dois também combinam uma estratégia para tentar manter contato via walkie-talkie, mas na prática isso acaba não funcionando.

Chegando na capital da Geórgia, Rick se depara com uma cidade completamente infestada de zumbis, sem nenhum sinal de que havia um lugar seguro nas redondezas. Cercado pelos mortos-vivos, o protagonista é obrigado a buscar abrigo dentro do tanque de guerra que estava abandonado em uma das ruas da metrópole. Sair de lá sozinho certamente seria um desafio, mas por sorte ele recebe auxílio de um desconhecido, via rádio, e consegue deixar o veículo. O autor da voz misteriosa é Glenn (Steven Yeun), um coreano que estava na cidade junto com alguns sobreviventes, enquanto o restante de seu grupo estava acampado na parte elevada de uma floresta, local em que estavam Carl, Lori e Shane (Jon Bernthal), este último colega de trabalho e melhor amigo de Rick.

No começo, a região em que eles haviam escolhido para ficar realmente parecia ser segura, mas com o passar dos dias os zumbis também passaram a rondar a área, dando trabalho para os sobreviventes. O principal problema é que eles utilizam armas de fogo como principal forma de defesa, somente Daryl (Norman Reedus), com sua besta, consegue agir de forma silenciosa. Como o alto som dos tiros atrai ainda mais os zumbis para o local, o grupo precisa agir rapidamente para evitar que o pior aconteça. Compreender a nova realidade em que eles estão inseridos é fundamental para garantir a sobrevivência, mas a verdade é que na hora do desespero não há muito o que se fazer.

O reencontro de Rick com sua família certamente é um fato emblemático, não só pela sua breve jornada, mas também por tudo o que aconteceu enquanto ele esteve no hospital. Como Lori e Shane acreditavam que não havia possibilidade do protagonista ter sobrevivido ao início do apocalipse, eles começaram a desenvolver um relacionamento amoroso. Partindo desse ponto, podemos deduzir que o retorno do policial talvez não tenha agradado a todos... Resta saber como essa situação se desenvolverá no futuro, principalmente quando Rick descobrir o que aconteceu entre Shane e Lori durante o período em que esteve ausente.


Considerações finais
A proposta de The Walking Dead é mostrar como um grupo de pessoas passa a viver em um mundo dominado por zumbis. Não há uma explicação para a origem do apocalipse e os personagens tampouco sabem lidar direito com os mortos-vivos. Tudo é uma jornada de descobrimento, e nós passamos a conhecer as coisas junto com Rick e seu grupo. De forma paralela, a atração começa a explorar as histórias de seus personagens, o que nos permite ter uma pequena ideia do temperamento de cada um.

Com uma nova realidade instaurada, valores morais e éticos são constantemente questionados e precisam ser superados pelos personagens. Formada por um elenco praticamente desconhecido, que acabou surpreendendo nas interpretações, a atração também se destaca pela sua direção de arte. Apesar de ser curtinha (são somente seis episódios), a primeira temporada convence e é capaz de criar boas expectativas para a sua continuação.

Nota
★★★★☆ - 4 - Ótimo


Veja mais sobre o universo de The Walking Dead:
Conteúdo relacionado:

Análises da série The Walking Dead:

Análises dos jogos:

➜ Você pode ler análises de outras séries clicando aqui.
Herbert Viana

Criador do Portal E7, Herbert é advogado, amante de games e séries. Gamertag/ID: "HerbertVFV". twitter

O que achou desta postagem? Encontrou algum erro? Compartilhe sua opinião!

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem

Publicidade