Atenção! O texto a seguir contém spoilers da terceira temporada de The Walking Dead.

O Governador (David Morrissey) até tentou, mas Rick (Andrew Lincoln) e o seu pessoal foram mais espertos e agiram para impedir o ataque na prisão. O fracasso da operação e a desistência de seus aliados causaram uma ira no Governador, que reagiu matando quase todos que estavam junto com ele. Rick e mais alguns até foram atrás deles, mas tudo o que encontraram foram os homens mortos na estrada e uma Woodbury abandonada por seu antigo líder. Tal fato fez com que todos os moradores da cidade fossem levados para a prisão, onde estariam seguros e receberiam o que fosse preciso.

Passados alguns meses, a vida dos sobreviventes parece estar melhorando. No pátio da penitenciária, foi plantada uma horta e construído um chiqueiro para a criação de porcos. Como agora haviam muitas bocas para serem alimentadas, essas atividades faziam muito sentido, evitando que as pessoas saíssem para buscar alimentos. Apesar desses avanços, o grupo passa a enfrentar um novo tipo de ameaça, provocada pelo surto de uma gripe misteriosa. Quando percebem que existe um vírus circulando pelo local, os doentes são isolados em um dos blocos da penitenciária e as pessoas evitam ter contato muito próximo uma com as outras. O maior problema é que a doença parece evoluir muito rápido e não havia no local remédios para tratar as pessoas que estavam com sintomas mais graves.

Tentando combater a enfermidade, Daryl (Norman Reedus), Michonne (Danai Gurira), Tyreese (Chad Coleman) e Bob (Lawrence Gilliard Jr.) saem para procurar remédios em uma faculdade de veterinária. Enquanto o grupo não retornava com os recursos, ao ver a situação delicada que os doentes estavam enfrentando, Hershel (Scott Wilson) decide adentrar na área isolada para servir um chá e verificar qual era o estado dos doentes. Nesse processo, mais alguns morrem e consequentemente se transformam em zumbis. Como as pessoas estavam fracas, se os zumbis não fossem eliminados era apenas uma questão de tempo até que todos fossem mordidos. Lidar com os mortos (antes deles se transformarem) sem causar um choque nas pessoas doentes é algo que precisará ser feito para garantir a segurança de todos.

Em meio a esse problema, alguns mistérios começam a acontecer. Para começar, alguém estava pendurando ratos nas cercas externas da penitenciária para "alimentar" os zumbis. Pouco depois, os corpos de duas pessoas doentes são encontrados queimados. Um deles era da namorada de Tyreese, o que o deixa extremamente nervoso. Como lidar com mais esses problemas? Durante a temporada, descobrimos quem são os responsáveis pelos dois fatos e quais os desdobramentos que eles geram ao longo do tempo. 

Depois da forma vergonhosa que o Governador e seus homens foram obrigados a deixar a prisão, era de se imaginar que essa história não terminaria assim e que ele, em algum momento, tentaria colocar em prática um novo ataque. O problema é que o Governador agora está sozinho e não possui mais a influência que tinha em Woodbury. No meio do apocalipse, ele começa uma jornada para tentar reconstruir sua vida, assumindo agora a identidade de Brian. Enquanto explorava uma área, o Governador encontra uma família que estava se abrigando em um prédio e se junta a eles. Podemos perceber que Brian rapidamente cria laços com a criança existente no grupo de seus novos aliados, o que nos faz pensar que ele estava tendo lembranças de sua filha falecida.

Até que o Governador recupere um pouco de credibilidade, uma série de eventos acontece, o que inclui ele reencontrar um antigo aliado após cair em uma armadilha. O embate com Rick e seu pessoal acontece e os desdobramentos causados por mais um enfrentamento mexem com a vida e o futuro de todos. Pessoas inocentes morrem e estruturas são permanentemente destruídas, obrigando aqueles que conseguem superar toda a destruição a buscar um novo rumo, abrindo espaço para futuras tramas.


Considerações finais
Novos desafios são impostos aos sobreviventes quando eles precisam lidar com uma doença desconhecida, que provavelmente era originária dos porcos selvagens que estavam sendo criados na prisão. Ao mesmo tempo, coisas estranhas começam a surgir no local, que agora serve de moradia para um grande número de pessoas. Mais sobreviventes significam mais zumbis nas cercas, fator que exigirá uma atenção especial do grupo liderado por Rick. Fora da penitenciária, o ambiente hostil e perigoso continua sendo um elemento importante para o universo da série. No decorrer dos dezesseis episódios, temos mais uma vez mortes de personagens marcantes, todas amparadas por um bom motivo que as justificasse. Uma delas, inclusive, foi muito lamentada por mim.

Grande parte dos episódios do quarto ano são focados em pequenos grupos de pessoas, o que garante um melhor desenvolvimento dos personagens. Por outro lado, esse tipo de abordagem também representa uma quebra do ritmo narrativo, sendo um aspecto positivo e negativo ao mesmo tempo. Na segunda metade da temporada, a atração claramente começa a preparar o terreno para o futuro, gerando alguns episódios mais arrastados do que o necessário. É nesse momento que conhecemos três novos personagens, Abraham (Michael Cudlitz), Eugene (Josh McDermitt) e Rosita (Christian Serratos). Abraham e Rosita estão em uma missão para levar Eugene até Washington, já que ele parece saber o que ocasionou o apocalipse. Será?

Nota
★★★★☆ - 4 - Ótimo


Veja mais sobre o universo de The Walking Dead:
Conteúdo relacionado:

Análises da série The Walking Dead:

Análises dos jogos:

➜ Você pode ler análises de outras séries clicando aqui.