Com Mike (Patrick J. Adams) sendo preso e a Pearson Specter Lit vazia, após todos os funcionários terem abandonado a firma, os caminhos para a sexta temporada já indicavam que uma enxurrada de problemas estava por vir. Como um dos maiores escritórios de advocacia de Nova York vai sobrevier sem funcionários e com sua reputação manchada no meio jurídico por ter contratado uma fraude?

Harvey (Gabriel Macht), Louis (Rick Hoffman) e Jessica (Gina Torres) unem suas forças e dinheiro para reerguer a firma e garantir que ao menos os clientes permaneçam. Depois planejar os próximos passos da empresa, o trio resolve ficar chapado para fugir momentaneamente da avalanche de problemas os cerca, o que gera algumas cenas bem engraçadas. O trabalho desempenhado por Donna (Sarah Rafferty), Gretchen (Aloma Wright) e Rachel (Meghan Markle) é fundamental para manter a Pearson Specter Lit de pé. Para fazer parecer que a firma está bem, parte do espaço é alugado para um grupo de investimentos, que mais adiante passa a ter sua importância na temporada.

Ao chegar no presídio e passar pelos procedimentos de praxe, a ingenuidade de Mike faz com que ele conte toda a sua história para o primeiro detento com quem teve efetivo contato: Frank Gallo (Paul Schulze). O que Mike não esperava é que Harvey foi o responsável pela prisão de Gallo, há 13 anos atrás. Quando Gallo leu no jornal sobre Mike, ele enxergou uma forma de se vingar de Harvey: atacando Mike. A situação complica ainda mais quando descobrimos que Gallo tem amizade com grande quantidade de guardas corruptos do presídio.

Harvey então decide procurar Sean Cahill (Neal McDonough), promotor federal que no passado chegou a investigar a Pearson Specter Lit, para pedir a transferência de Gallo para outra penitenciária. Melhor do que isto, Cahill encontra uma forma de tirar Mike mais cedo da prisão, mas em troca disso ele terá que denunciar o seu colega de cela, Kevin Miller (Erik Palladino). Apesar de altos e baixos, e deles agirem em conluio por grande parte do tempo, a relação de Harvey e Cahillé bem interessante. A situação logicamente não é tão simples como foi escrita, e gerará diversos desdobramentos.

Rachel aceita o convite de seu professor para participar do Innocence Project. O que ela não esperava é que ela se envolveria com a história de uma pessoa que está no corredor da morte. Não podendo seguir adiante com o caso na faculdade, ela decide pedir ajuda para Jessica que, depois de algumas reflexões, acaba aceitando. Além de poder ajudar uma pessoa, o caso pro bono melhoraria a imagem da empresa.

Na segunda parte da temporada, vemos Mike começar a reconstruir a sua vida profissional após deixar a prisão. Acompanhamos também o dia a dia na Pearson Specter Lit após Jessica tomar uma decisão inusitada. O lado mais descontraído fica por conta de Benjamin (David Reale), que está desenvolvendo uma assistente pessoal em parceria com Donna. Vemos ainda Louis se envolver em um relacionamento amoroso "moderno" e uma possibilidade de Mike entrar de verdade na Ordem dos Advogados.


Considerações finais
Depois da incrível quinta temporada, as expectativas para o sexto ano se Suits eram altas. Fato é que a quinta temporada foi realmente um ponto fora da curva, estando a sexta temporada no mesmo nível visto nos quatro primeiros anos da série, o que não é ruim. A passagem de Mike pela prisão gera alguns momentos bem tensos, fazendo com que ele e Harvey busquem soluções em uma corrida contra o tempo. O processo de reconstrução da firma é bem trabalhado, mas é estranho ver Harvey várias vezes abrir mão dos problemas da sua própria empresa para acudir Mike.

Rachel se destacou bastante nesta temporada, principalmente pela sua atuação com Jessica na defesa de um homem que está no corredor da morte. Os problemas familiares de Harvey são novamente abordados e os roteiristas, desta vez, acabaram com as pontas soltas que existiam nesta parte do enredo. Acompanhar o novo relacionamento de Louis é legal, principalmente pelas suas ações/reações sobre determinados assuntos. A assistente pessoal de Benjamin e Donna é até bem bolada e engraçada, mas acredito que ela ganhou espaço de mais na temporada. Por fim, é sempre bom poder ver Harvey e Mike juntos em situações arriscadas. É uma temporada intensa, mas não tanto quanto a anterior.

Nota
★★★★☆ - 4


Veja mais sobre Suits:
└ 10 curiosidades sobre a série Suits
└ Análise da série Suits (1ª temporada)