Em uma indústria completamente saturada de animes isekai, histórias em que o protagonista é transportado para outro mundo, Re:ZERO -Starting Life in Another World- (Re:Zero kara Hajimeru Isekai Seikatsu, no original) parecia ser só mais um título genérico do gênero. Para a nossa surpresa, a atração chegou superando as expectativas, quebrando vários clichês e apresentando um universo muito mais sério e bem desenvolvido do que o costume, tornando-se um dos isekai de maior destaque dos últimos anos.

O protagonista, Subaru Natsuki, é um NEET sem muita perspectiva. Em um dia aparentemente normal, a vida do jovem muda completamente quando ele é misteriosamente invocado em um mundo de fantasia, onde teria a chance de começar tudo do zero, vivendo aventuras antes inimagináveis. Até sermos apresentados ao poder que Natsuki recebeu quando chegou no novo universo, Re:ZERO parece um anime comum. Ao se envolver com uma meio elfa chamada Emilia, que estava procurando o ladrão que roubou seu brasão, Subaru rapidamente faz amizade com ela e decide ajudá-la. Sem entender muito como as coisas funcionavam onde ele estava, o personagem vai parar em uma situação muito perigosa e acaba morrendo.

É a partir desse ponto que o anime se mostra um isekai realmente diferente. Não se trata de uma aventura de um NEET em um ambiente de fantasia, mas sim a difícil jornada de Subaru, que tem uma misteriosa habilidade que o leva de volta à um ponto específico do tempo toda vez que ele morre. O protagonista não é heroico e nem poderoso, Subaru é apenas um antissocial que foi levado para um local hostil, sem um motivo aparente, razão pela qual ele sofre muito, passa por coisas horríveis e morre várias vezes.

Re:ZERO não é uma obra para quem busca uma aventura divertida em um lugar fantástico, cheio de criaturas místicas e super poderes. Apesar do universo da história contar com todos esses elementos, o ponto central da trama é Subaru, que não conhece nada do ambiente em que se encontra e está sempre lutando para se manter vivo. Como acompanhamos tudo da ótica do personagem principal, o mundo ao seu redor parece extremamente misterioso e ameaçador. 

Mesmo tendo várias cenas de alívio cômico e muitas partes descontraídas, Re:ZERO tem uma narrativa pesada. O clima de suspense é constante e a primeira temporada está repleta de momentos tensos e brutais. Subaru tem um bom humor e tenta ao máximo alegrar o ambiente em que está, mas conforme passa por situações horríveis e morre diversas vezes, o personagem deixa esse estilo um pouco de lado e começa a aprender a viver no local em que está inserido. O crescimento do protagonista é um dos grandes destaques do título.

Desde o começo, Subaru é muito humano e tenta ao máximo parecer incrível para as outras pessoas: ele quer chamar a atenção e conseguir ser tudo o que não foi na vida passada, mas isso é apenas uma máscara que esconde a sua insegurança. Re:ZERO também tem vários outros personagens fantásticos, como Emilia e Rem, duas companheiras de Subaru que guardam muita história e mistério, assim como todo o universo do anime. Embora no começo as duas não sejam muito desenvolvidas, ambas desempenham papéis importantes na trama. Com o desenrolar do enredo, tanto elas como os vários outros personagens vão sendo melhor trabalhados.

Outra coisa que chama atenção é a forma com que a história lida com os poderes do protagonista. Os conflitos em que Subaru se envolve parecem puzzles em que ele tem que morrer várias vezes até achar a forma mais inteligente de resolvê-los. O problema é que o personagem não consegue determinar o ponto do tempo em que retornará, o que significa que ao falecer ele pode acabar regressando em um momento desfavorável. É como se a habilidade de Subaru não servisse para realizar o que ele quer, mas sim cumprir algum propósito maior, provavelmente o objetivo de quem o invocou e lhe deu esse poder.

Re:ZERO não seria nada sem os seus vilões: não existe nenhum inimigo fixo na narrativa, mas todos os que aparecem são ótimos. O destaque maior fica com o Culto da Bruxa, que surge na segunda metade do anime e utiliza o clima misterioso do enredo para se destacar como uma ameaça maior. Infelizmente, terminamos a obra sem saber muito sobre eles, mas mesmo assim o grupo conseguiu elevar muito o nível da atração enquanto esteve presente.

É simplesmente impossível falar de Re:ZERO sem citar a sua trilha sonora, responsável por tornar o clima do enredo e do universo tão sensacional. As músicas funcionam muito bem, seja nos momentos de extrema tensão, mistério, violência ou nos mais bem humorados e divertidos. Já a animação não se destaca tanto, ela é acima da média e bem fluida nas cenas de ação, mas está longe de ser o que há de melhor; ainda assim, consegue se manter constante e em uma qualidade relativamente boa.


Considerações finais:
Baseado na light novel homônima escrita por Tappei Nagatsuki, Re:ZERO -Starting Life in Another World- é uma verdadeira desconstrução do já batido gênero isekai e mostra o grande potencial que esse tipo de narrativa ainda pode ter. Indo além de aventuras tradicionais nos mundos de fantasia, a atração tem como protagonista alguém que também precisa lidar com os seus problemas. Conseguindo mesclar bem os momentos dramáticos e cômicos, temos uma trama envolvente e repleta de surpresas.

Para os que estão enjoados de animes muito artificiais, que misturam todo tipo de clichê para tentar contar alguma história, Re:ZERO pode ser uma boa escolha. Mesmo sendo mais sério que a maioria das obras do gênero, o título ainda é bastante divertido e ótimo para maratonar, sendo indispensável para amantes de obras ambientadas em universos fantásticos e cheios de mistérios.

Nota
★★★★★ - 5 - Excelente


➜ Você pode ler análises de outros animes clicando aqui.