Análise do jogo It Takes Two


May e Cody não estão no melhor momento do relacionamento e, depois de uma pequena discussão, ambos acreditam que o divórcio é a única saída possível. Quando Rose descobre que os pais estão prestes a se separar, ela tenta encontrar uma forma de fazer com que eles se reconciliem e permaneçam juntos. Tendo a posse de um livro que encontrou no lixo da escola, a jovem pega dois bonecos feitos por ela, que simbolizam seu pai e sua mãe, e começa a dizer que queria que eles fossem amigos novamente. No instante em que Rose chora e suas lágrimas caem sobre os bonecos, May e Cody têm suas mentes transportadas para os brinquedos e a aventura começa.

Tal como A Way Out, It Takes Two só pode ser jogado em modo cooperativo, com um jogador assumindo o controle de May e o outro o de Cody. Os personagens são carismáticos, possuem personalidades completamente diferentes e precisarão deixar de lado as divergências para encontrar uma forma de fazer suas mentes retornarem para os seus corpos verdadeiros. Quem auxiliará o casal nesse processo é o Dr. Hakim, um livro que é sucesso de vendas e já ajudou a vida de milhões de casais, apesar de ter sido achado por Rose em um local que parece não condizer com a sua fama. Mais do que simplesmente fazer Cody e May regressarem a suas vidas, Dr. Hakim deixa bem claro que ambos estavam ali para consertar a relação e só conseguiriam voltar a normalidade se trabalhassem juntos. Nas palavras do próprio livro, "colaboração é a chave para um relacionamento de sucesso", e essa é a tônica que nos guia até o fim da aventura.

Toda a história é ambientada na casa dos protagonistas, local com o qual eles aparentemente têm familiaridade. A diferença é que como os dois estão minúsculos, uma simples ação tomada no passado pode representar agora uma grande ameaça. Em meio a aliados e inimigos, para conseguir ajuda a dupla precisa realizar diversos tipos de favores, levando-os a conhecer locais da propriedade que eles nem sonhavam que existiam. Nesse processo, encaramos batalhas contra chefes e mais algumas surpresas escondidas pelo caminho. Ao verem a filha realizando diversas ações pela casa, Cody e May tentam, por diversas vezes, entrar em contato com ela, mas a única maneira é seguir as missões que são passadas pelo livro mágico.

Com a tela dividida ao meio, seja no multiplayer online ou local, podemos ver o que o outro jogador está fazendo, facilitando a comunicação no momento em que ações conjuntas precisam ser feitas. Assumindo o controle dos personagens, temos liberdade para explorar os cenários e interagir com objetos. Dentro das fases, podemos cumprir algumas atividades secundárias, como realizar interações específicas e participar de minijogos, o único instante em que o game se torna competitivo. Os objetivos secundários rendem conquistas e devem ser encontrados sozinhos pelo jogador. Caso fique alguma coisa para trás, pelo menu é possível selecionar os níveis e escolher algum trecho específico para ser rejogado.

O ponto de maior destaque de It Takes Two, sem dúvida, é a sua variedade de mecânicas. Dentro de uma mesma fase, somos apresentados a diferentes estilos de jogabilidade, fator que torna o game extremamente variado e divertido. Além de plataformas em 2D e 3D, encaramos momentos em que o título se transforma em um jogo de luta, hack'n slash, shooter, RPG isométrico, dentre outros. Os easter-eggs e as referências a outros jogos, como Splatoon, The Legend of Zelda e Mario, estão espalhadas por todos os lados. Em determinados pontos da história, cada um dos personagens ganha poderes específicos, o que torna a experiência ainda mais envolvente. Salvo alguns problemas pontuais com a câmera, essa multiplicidade de mecânicas funciona muito bem.

Não estamos diante de um jogo desafiador, o que significa que qualquer pessoa pode ser uma boa companhia para encarar essa jornada. Existem trechos que exigem uma maior habilidade, mas é algo que pode facilmente ser superado após algumas tentativas e erros. O próprio game facilita isso e faz com que, após a morte, nosso personagem renasça no local em que estávamos antes da última ação ser praticada. Apenas nas batalhas é que, em caso de morte simultânea dos dois personagens, retornamos ao último checkpoint.

Visualmente, temos ambientes bem diversos uns dos outros. Cada mundo tem uma temática, e dentro desses mundos podemos perceber diferenças de ambientação nas próprias fases. A direção de arte é muito bem executada e entrega cenários detalhados e bonitos. Na parte de som, temos uma trilha sonora discreta, ao passo que o trabalho de dublagem é sensacional. Embora as vozes estejam em inglês, o jogo está totalmente localizado para o português, permitindo que facilmente acompanhemos a história pelas legendas. Durante a minha jogatina, houve um momento em que o jogo bugou, me obrigando a fechar o título e a iniciá-lo novamente. Esse fato isolado aconteceu uma única vez.

Desenvolvido pela Hazelight Studios e publicado pela EA, It Takes Two foi lançado em 2021 e está disponível para PlayStation 4, Xbox One, PlayStation 5, Xbox Series e Windows. Esta análise foi feita com base na versão do Xbox One.


Considerações finais
Vejo It Takes Two como uma clara evolução de A Way Out. Enquanto o jogo protagonizado por Vincent e Leo propunha uma experiência extremamente linear, a aventura de May e Cody oferece um grau de liberdade muito maior, com ambientes amplos e que podem ser explorados. Com relação às mecânicas, também percebemos que houve um grande avanço, tanto na variedade como na forma em que elas são empregadas. A fórmula, que já havia funcionado bem, foi refinada e o resultado é que It Takes Two é um dos melhores jogos cooperativos que já tive a oportunidade de jogar.

Junto com a ótima jogabilidade, temos uma narrativa que se torna cada vez mais interessante. É bem legal ver como Cody e May conseguem se reconectar ao perceberem que só sairão daquela situação se forem capazes de superar suas discordâncias. Os momentos de humor ficam por conta do Dr. Hakim, enquanto Rose é a responsável pelas cenas mais dramáticas. Eu me diverti muito e acredito que outros jogadores terão a mesma sensação. Vale mencionar que com o passe de amigos, para jogar online basta que um dos players tenha uma cópia do game.

Nota
★★★★★ - 5 - Excelente


➜ Você pode ler análises de outros jogos clicando aqui.
Herbert Viana

Criador do Portal E7, Herbert é advogado, amante de games e séries. Gamertag/ID: "HerbertVFV". twitter

O que achou desta postagem? Encontrou algum erro? Compartilhe sua opinião!

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem

Publicidade

Veja também