Há muito se fala sobre uma sequência para Alan Wake, aclamado jogo de ação lançado pela Remedy em 2010; rumores recentes também insinuaram uma continuação para Quantum Break. A razão destes títulos não terem ganhado sequência se deve a um único fator: a Microsoft não demonstrou interesse em realizá-las.

Em uma entrevista para o site GamesIndustry, o CEO da Remedy, Tero Virtala, revelou que tanto Alan Wake como Quantum Break são propriedades intelectuais pertencentes à Microsoft, sendo ela quem decide se os jogos ganharão uma sequência ou não.

"Se você quer criar uma história memorável, não é apenas uma história. São os personagens, sua história, seus motivos e os locais. Para criar esses mundos, personagens e histórias, é preciso um investimento enorme de pessoas de qualidade, que são realmente difíceis de encontrar e que normalmente fornecem uma base para franquias de longo prazo, marcas de longo prazo em que você pode colocar vários jogos.", disse Tero Virtala.

"Considerando nossa história, Alan Wake foi realmente interessante, mas foi uma colaboração com a Microsoft. Devido a certas razões, ele nunca teve uma sequência. Quantum Break, também, nos esforçamos muito para criar o mundo, os personagens, as histórias. Mas ainda assim também era uma IP da Microsoft. Eles decidiram não levar isso adiante. Se nós tivéssemos a IP, estaria totalmente em nossas mãos decidir como vamos criá-lo, como vamos nos desenvolver, quais são as decisões criativas que tomamos. É importante estar em nossas mãos decidir o que será feito.", completou.

Por este motivo, a Remedy decidiu criar o seu novo jogo, Control, sem uma parceria com a Microsoft, mantendo desta forma a IP sobre o seu controle, podendo livremente decidir sobre o seu futuro. Apresentado na E3 2018, Control está sendo desenvolvido para PC, PlayStation 4 e Xbox One, tendo lançamento programado para 2019.


Texto originalmente escrito para o site Joystick Terrível.