Conhecido por ser o melhor negociador da cidade, Harvey Specter (Gabriel Macht) é promovido a advogado sênior no escritório Pearson Hardman e agora precisa contratar um associado. Dois são os requisitos para o cargo: ser advogado e ter se formado em Harvard. Junto com Donna Paulsen (Sarah Rafferty), sua secretária, Harvey realiza a seleção em um hotel da cidade, mas nenhum candidato consegue realmente chamar a sua atenção. Enquanto fugia da polícia, Mike Ross (Patrick J. Adams) entra na sala em que as entrevistas estavam sendo feitas para se esconder. Portando uma mala cheia de maconha, o jovem estava realizando um serviço de entrega para conseguir custear o tratamento de saúde de sua avó.

Por uma ironia do destino, Mike consegue ficar frente a frente com Specter e finge, em um primeiro momento, ser um candidato. O problema é que ele não é advogado e muito menos foi aluno de Harvard. Como o personagem costumava fazer o teste de admissão para a faculdade de Direito no lugar de outras pessoas, ele tinha um bom conhecimento jurídico. Mike não preenchia os requisitos técnicos para a vaga, mas sua sinceridade, seu carisma e sua incrível memória fotográfica deixaram Harvey impressionado e ele decide contratá-lo.


A partir de então, o jovem passa a auxiliar o advogado na condução de diversos casos do escritório, mas a ausência da formação em Direito fará com que ele enfrente alguns momentos delicados na firma. Embora Harvey seja o seu chefe, Mike também recebe ordens de Louis Litt (Rick Hoffman), que supervisiona todos os associados do escritório. Louis é uma pessoa competitiva e demonstra insatisfação (e até um certo ciúme) ao ver o seu colega de trabalho ser promovido ao invés dele. A soma desses fatores faz com que Louis se torne uma grande pedra no sapato do falso advogado.

Outra questão com a qual Mike precisará lidar é Trevor Evans (Tom Lipinski). Mesmo recebendo o conselho de seu novo chefe para se afastar do amigo, Mike decide arriscar a sua vida pessoal e profissional para ajudar Trevor a sair de situações complicadas. Apenas para contextualizar, foi ele quem colocou Mike na emboscada da maleta de maconha. Esse é aquele tipo de amizade em que um sempre se ferra por conta das ações e da influência do outro. Como isso respinga no seu emprego na Pearson Hardman, o personagem precisará enfrentar as consequências de seus atos. 

Enquanto Harvey aparenta ser uma pessoa que pensa apenas em si próprio, Mike se comove facilmente com os casos em que eles trabalham. Ao longo dos doze episódios, percebemos em pequenos gestos que Harvey também se importa com as pessoas, apesar dele se autopromover toda vez que tem a oportunidade. Seja como for, os dois se deram muito bem desde o princípio e agora um depende do outro.

Com diálogos repletos de sarcasmo, Suits é uma mistura de drama e comédia. Mesmo tendo grande foco nos dois protagonistas, a série criada por Aaron Korsh possui outros excelentes personagens, como Rachel Zane (Meghan Markle), a assistente jurídica da firma, Jessica Pearson (Gina Torres), a sócio gerente do escritório, a engraçada Donna e o enigmático Louis.


Considerações finais
Apresentando o dia a dia maçante de um grande escritório de advocacia de Nova York, Suits é uma série jurídica bem desenvolvida. Enquanto Harvey e Mike trabalham juntos para resolver um caso a cada capítulo, em segundo plano conhecemos um pouco mais da vida pessoal dos dois personagens. Com isso, a história vai ganhando forma e se mostra cada vez mais interessante.

Lançada em junho de 2011, a primeira temporada causou uma boa impressão, principalmente pelo carisma dos personagens e pela narrativa inteligente. Apesar de contar com alguns termos jurídicos, muitos deles desconhecidos pela grande maioria das pessoas, isso não afeta diretamente a compreensão da trama. O episódio final é excelente e cria grandes expectativas para o segundo ano.

Nota
★★★★☆ - 4 - Ótimo


Veja mais sobre Suits:

➜ Você pode ler análises de outras séries clicando aqui.