O voo 815 da Oceanic Airlines saiu de Sydney, Austrália, em direção a  Los Angeles, Estados Unidos. No meio do trajeto, o avião teve problemas com o rádio de comunicação e o piloto decide da aeronave decidiu alterar o seu curso. Ao enfrentar uma forte turbulência, a aeronave se partiu em três pedaços, dos quais um caiu na praia e outro na floresta de uma ilha paradisíaca no sul do Oceano Pacífico.

As quarenta e oito pessoas que sobreviveram à queda do avião estão agora presas em uma ilha, sem saber muito bem o que fazer. Havia esperança de que logo alguém apareceria para resgatá-los. Com o passar dois dias, os sobreviventes começam a perceber que precisam urgentemente encontrar forma de se manterem vivos no local. Com a comida acabando e sem água para beber, a única solução é começar a explorar a ilha.

Acontece que o local em que eles estão é repleto de mistérios. Ao começar andar pela selva, as pessoas percebem que uma criatura sobrenatural vaga pelo local. Fatos inusitados, como a presença de um urso polar e uma mensagem em francês, com pedido de socorro, sendo repetida há dezesseis anos, mostram que o local esconde muitos segredos. Como se tudo isso não bastasse, no meio da floresta ainda existe uma escotilha metálica enterrada no solo.

Mesmo contando com esses misteriosos eventos, o foco da primeira temporada está em contar a vida e a relação das pessoas. Dentre os sobreviventes, temos as mais variadas histórias de vida, que são aos poucos aprofundadas por meio de flashbacks. Normalmente, cada episódio apresenta cenas do passado de um ou mais personagens. É assim que descobrimos o que levou cada um deles embarcarem no voo rumo a Los Angeles. Com personalidades completamente diferentes, eles precisam se unir em prol de um objetivo maior.

O médico Jack (Matthew Fox) acaba tornando-se líder dos sobreviventes. Responsável por socorrer os feridos da queda do avião, ele também presta socorro aos sobreviventes que eventualmente se machucam ou passam mal no local. Jack ganha rapidamente o respeito da maioria das pessoas. Ele cria rapidamente uma relação próxima com a jovem Kate (Evangeline Lilly), uma ex-fugitiva que havia sido capturada e estava sendo levada por um agente federal dos EUA no voo da Oceanic Airlines. Sawyer (Josh Holloway), outro personagem com o passado complicado, normalmente está envolvido na maioria das confusões entre os sobreviventes.

Charlie (Dominic Monaghan) era vocalista da banda Drive Shaft e é viciado em heroína. Portando apenas um pacotinho da droga, que vai se acabando aos poucos, Charlie terá uma luta consigo mesmo para tentar abandonar o seu vício. Ao longo da temporada, Charlie se aproxima de Claire (Emilie de Ravin), uma jovem australiana que está grávida de oito meses e é ignorada pela maioria das pessoas. Entre os personagens principais ainda temos o casal coreano Sun (Yunjin Kim) e Jin (Daniel Dae Kim), os irmãos Shannon (Maggie Grace) e Boone (Ian Somerhalder), e Michael (Naveen Andrews), que possui uma complicada relação com o seu filho Walt (Malcolm David Kelley), que recentemente perdeu a mãe.

O iraquiano Sayid (Naveen Andrews), com sua experiência militar, também desempenha um importante papel na trama. O oficial de comunicações tenta consertar o transceiver, para pedir socorro, e, posteriormente tenta rastrear a origem da misteriosa mensagem de socorro que é repetida na ilha. O personagem mais misterioso da atração é John Locke (Terry O'Quinn): cadeirante, depois da queda do avião, ele recupera o movimento das pernas e consegue novamente andar. Locke possui habilidades de rastreamento, caça e parece entender muitas das coisas que acontecem na ilha. A parte divertida da história fica com Hurley (Jorge Garcia), que ficou milionário após jogar na loteria com os números 4, 8, 15, 16, 23 e 42 (que eram constantemente repetidos por seu amigo). Esta misteriosa sequência de números possui ligações com certas coisas na ilha.


Considerações finais
Criada por J. J. Abrams, Jeffrey Lieber e Damon Lindelof, a primeira temporada de Lost foi ao ar nos Estados Unidos, entre 2004 e 2005, pela emissora ABC. Quinze anos depois de sua estreia, por tudo o que a série representa na história da TV estadunidense, eu decidi a assistir Lost pela primeira vez! Confesso que não foram necessários muitos episódios para que eu me surpreendesse com a série. A quantidade de mistérios presentes na ilha e a narrativa envolvente logo me cativaram e a vontade de continuar assistir a atração era grande. A história de cada um dos personagens é muito bem desenvolvida graças aos flashbacks. É muito legal conhecer o que cada pessoa era antes do desastre aéreo.

De nada adianta ter uma boa história se o elenco não consegue entregar boas atuações. Felizmente os atores entregam atuações, contribuindo para a grandeza desta primeira temporada. Direção e produção também merecem destaque. Com muitas questões para serem respondidas, já vou iniciar a segunda temporada!

Nota
★★★★★ - 5


Veja mais sobre Lost:
└ Lost: erros de gravação e produção na 1ª temporada
└ Análise da série Lost (2ª temporada)
└ Análise da série Lost (3ª temporada)
└ Análise da série Lost (4ª temporada)
└ Análise da série Lost (5ª temporada)