Na última quinta-feira (12), durante o The Game Awards 2019, a Microsoft revelou o visual e o nome do seu console de nova geração, anunciado como Xbox Series X. Se visual do console não agradou muito algumas pessoas, o nome escolhido pela empresa para nomear o aparelho foi criticado por quase unanimidade dos jogadores.

Xbox Series X é um nome relativamente parecido com Xbox One X, a verão mais potente do Xbox One. Há alguns anos, mais precisamente em 2012, vimos algo semelhante acontecendo na indústria dos videogames, quando a Nintendo anunciou o Wii U. Apesar de ser um caso um pouco diferente, os nomes muito parecidos causaram uma certa confusão. No caso da Nintendo, a situação foi ainda pior porque a empresa focou grande parte do seu marketing no gamepad, o que levou muitos a acreditaram que se tratava de um acessório para o Wii, e não um novo console.

Seja como for, é bom sempre que tenhamos uma diferença considerável de nomes entre as gerações de consoles, ou então que se opte por soluções mais básica como o uso de números, como vemos a Sony fazer com o PlayStation. Esta mesma estratégia é mantida pela maioria das fabricantes de smartphones, que costumam atualizar suas linhas a cada ano mudando apenas o número de identificação no final do modelo.

A estratégia de escolha de nome adotada pela empresa foi tão ruim que um executivo da empresa teve que dar uma declaração ao site Business Insider para explicar o nome do console: "O nome que estamos levando para a próxima geração é simplesmente 'Xbox'. E, durante o TGA 2019, todos viram esse nome ganhar vida por meio da Xbox Series X. O nome 'Xbox Series X' dá espaço para consoles adicionais no futuro, assim como os fãs viram em gerações passadas.". Com isso, parece que o videogame será identificado pela empresa apenas como "Xbox", enquanto o termo "Series X" é a denominação de uma linha de produtos.

Situações como esta poderiam ser facilmente ser evitadas se a Microsoft tivesse adotado o nome Xbox Scarlett (ou qualquer outro que nome que o distanciasse do Xbox One X ou S). A Nintendo, com exceção do Wii U, sempre soube lidar muito bom com esse tipo de identificação em seus produtos. A ideia de dar um novo nome para cada geração também vinha sendo adotada pela Microsoft. No entanto, entre as inúmeras possibilidades disponíveis, a empresa optou por algo que pode causar uma dificuldade de identificação em jogadores mais casuais. É estranho ver uma gigante multinacional optar por esse tipo de estratégia.