Hoje, dia 8 de março, é comemorado o dia internacional da mulher. Oficializado pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 1977, a data tem como principal objetivo promover a igualdade de gêneros e a proteção dos direitos das mulheres. Para comemorar esse dia especial, a equipe do Portal E7 elaborou uma postagem colaborativa destacando dez personagens femininas marcantes da cultura pop. Confira abaixo a nossa seleção:

Samus Aran (Metroid)
Quando Metroid foi lançado, em 1986, ninguém imaginava que por trás daquela armadura pesada estava uma mulher. A revelação feita apenas no final do jogo acabou se tornando uma das maiores quebra de estereótipos já vista no mundo dos games, afinal, por que as mulheres também não poderiam ser inseridas naquele tipo de situação retratada no game? Samus tornou-se uma das primeiras mulheres a protagonizar um jogo e, posteriormente, passou a ser considerada a melhor caçadora de recompensas da galáxia.

Lara Croft (Tomb Raider)
Lara Croft foi outra mulher a se consagrar como personagem independente no mundo dos games. Desde seu primeiro jogo no PlayStation, Lara Croft tornou-se um marco quando o assunto são protagonistas femininas, ainda que tivesse um visual muito sexualizado naquela época. Em 2013 quando o reebot de Tomb Raider chegou ao mercado, o visual da arqueóloga foi repaginado e ela ganhou uma nova personalidade que a deixava mais humanizada. Lara Croft é uma das personagens mais importantes dos games e é a prova viva de que as mulheres também podem ser protagonistas de grandes aventuras.

Kait Diaz (Gears of War)
Kait Diaz foi a primeira protagonista feminina em uma franquia que sempre foi lembrada por ter homens extremamente grandes e bombados. Além de enfrentar uma batalha contra os inimigos que tentam atormentar a vida dos habitantes Sera, Kait ainda precisa lutar contra os fantasmas de seu passado. Ela é tão forte quanto os outros personagens e é de longe a mais desenvolvida após a trilogia protagonizada por Marcus Fenix. A jornada de Kait Diaz na intensa batalha contra os Swarm ainda não acabou, mas ela deve ser uma peça fundamental para o fim da guerra.

Ellen Ripley (Alien)
Protagonista da série Alien, Ripley é outra personagem feminina conhecida por desafiar estereótipos, desta vez nos filmes do gênero ficção científica, ação e horror. O primeiro longa da série, lançado em 1979, retrava uma realidade em que homens e mulheres conviviam em um espaço de total igualdade. Com um extraterrestre dentro da aeronave, a personagem acabou se tornando uma heroína por acaso, enquanto lutava por sua sobrevivência. Ripley é frequentemente considerada uma das protagonistas femininas mais significativas da história do cinema.

Sarah Connor (Exterminador do Futuro)
Sarah Connor começou sua jornada na franquia do Exterminador do Futuro já no primeiro filme, onde era uma jovem frágil que estava destinada a ser a mãe do salvador da humanidade no futuro. Sarah sempre precisava ser protegida e não era nada forte. Já no segundo longa, as coisas mudaram completamente: após ter vivenciado o trauma de ter sido caçada por um impiedoso Exterminador, Sarah Connor mudou completamente e se tornou uma pessoa mais fria e muito mais independente, conseguindo em vários momentos proteger seu filho e a si própria de um Exterminador. A jornada de Sarah ainda continuou em O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio, onde a personagem se tornou muito mais impiedosa e, mesmo mais velha, virou uma forte um caçadora de Exterminadores.

Rey (Star Wars)
Star Wars tem personagens femininas marcantes desde o primeiro filme, de 1977. Rey foi a primeira protagonista feminina da franquia, além de ser uma das poucas Jedi mulheres com destaque significativo nos filmes. Ela viveu uma dura vida como catadora no planeta Jakku, enquanto aguardava o retorno de seus pais, que a haviam deixado quando ela ainda era uma criança. De forma inesperada, Rey acabou no meio do confronto entre a Resistência e a Primeira Ordem e descobriu ter uma extrema afinidade com a força. Após ter treinamentos com Luke Skywalker e com a general Leia, Rey se tornou uma poderosa guerreira.

Juliet Burke (Lost)
Por trás de um rosto bonito se escondia uma mulher que colocava sua profissão em risco para trabalhar em um projeto pessoal: conseguir fazer sua irmã, que recentemente havia enfrentado um câncer, engravidar. Especialista em fertilidade, Juliet foi enganada e levada até uma misteriosa ilha para liderar um ousado projeto. Apesar de ter sido inserida apenas na terceira temporada, Juliet se tornou uma das personagens femininas mais importantes da série de ficção científica.

Lagertha (Vikings)
Introduzida a série Vikings como uma forte escudeira, que sempre conseguia proteger sua família, Lagertha foi se desenvolvendo com o passar dos anos. Mesmo após se divorciar de seu marido, Ragnar Lothbrok, ela esteve ao seu lado em várias batalhas e mostrou ser tão forte quanto ele. Lagertha lutou em um número gigantesco de guerras e acabou se tornando uma lenda no mundo viking, sendo referência para outras mulheres que sonhavam em se tornar escudeiras. A personagem mostrou que qualquer pessoa, seja homem ou mulher, poderia fazer a diferença no campo de batalha.

Carol Peletier (The Walking Dead)
Quem viu Carol no começo de The Walking Dead certamente imaginou que a personagem teria vida curta no apocalipse zumbi. Humilhada e agredida pelo marido, Carol ainda teve que lidar com a perda de sua filha. Colecionando uma sequência de sofrimentos, a personagem reuniu todas as suas forças e passou pela maior transformação já vista de um personagem em The Walking Dead. Antes uma mulher frágil e sem rumo, Carol virou um dos nomes mais importantes do grupo de sobreviventes.

Mulher Maravilha
Em um mundo amplamente dominado por personagens masculinos, a Mulher Maravilha conseguiu ganhar destaque no universo das histórias em quadrinho pelas mãos da editora DC Comics. Sendo uma das fundadoras da Liga da Justiça e dona de força sobre-humana, a aparição da Princesa Diana aconteceu pela primeira vez em 1941 (três anos após o Superman), na revista All Star Comics 8. Esta é um legítima representante do "girl power"!