Em 1971, o casal Roger (Ron Livingston) e Carolyn Perron (Lili Taylor) se muda para uma antiga casa de campo, em Harrisville, junto com suas cinco filhas, Andrea (Shanley Caswell), Nancy (Hayley McFarland), Christine (Joey King), Cindy (Mackenzie Foy) e April (Kyla Deaver). Enquanto começavam a arrumar as coisas na nova residência, a cachorra da família se recusa de todas as formas a entrar dentro da casa. Esse é o primeiro indicativo que o local não possui uma energia, digamos, muito positiva.

Enquanto brincavam de cabra cega, as meninas sem querer descobrem uma passagem secreta para o porão da casa. Por algum motivo, alguém havia construído uma parede de madeira para bloquear o acesso à parte debaixo da casa. Roger desce até lá e encontra um local muito empoeirado, onde uma série de móveis e coisas antigas estão guardados. Na primeira noite que passam na casa, uma das filhas relata a presença de um cheiro ruim no ambiente. Outro detalhe que chama a atenção é o fato de todos os relógios da casa pararem em 3 horas e 7 minutos.

A família então começa a ser cada vez mais atormentada durante as madrugadas: as filhas do casal passam a ter os pés puxados enquanto dormem, barulhos começam a surgir dentro da casa, portas começam a abrirem sozinhas, quadros caem das paredes, hematomas surgem no corpo... Como se isso já não fosse suficiente, Cindy é sonâmbula e começa a ir para o quarto de Andrea e a fica batendo no guarda roupas. Durante o dia, pássaros batem nas paredes e janelas da casa. Os fenômenos deixam Carolyn extremamente preocupada, já que seu marido nem sempre estará em casa para ajudá-la a proteger suas filhas.

Diante de todos esses acontecimentos, Carolyn decide ir até uma palestra sobre fantasmas, ministrada por Ed (Patrick Wilson) e Lorraine Warren (Vera Farmiga), dois investigadores de fenômenos paranormais, na Massachusetts Western University, em Wakefield. Após o fim do evento, Carolyn vai atrás dos dois e suplica por ajuda. Ao ouvirem o relato de uma mãe desesperada, Lorraine e Ed decidem ir até a casa de Carolyn para darem uma olhada. Quando a história dos Perron se cruza com a dos Warren é que Invocação do Mal (The Conjuring, no original) começa a ficar interessante de vez.

Ed e Lorraine aparecem no filme logo na primeira cena, quando fazem comentários sobre a resolução do caso da boneca Annabelle (aqui com um visual muito mais assustador). Posteriormente, o diretor James Wan intercala os acontecimentos na casa da família Perron com detalhes sobre a vida pessoal dos Warren, bem como o desenvolvimento de algumas de suas atividades dos investigadores. Chama a atenção o fato deles terem em casa um quarto onde guardam objetos dos casos em que trabalharam. Você teria coragem de entrar nesse cômodo ou dormir em uma casa sabendo que nela estão guardados uma série de itens ligados a experiências paranormais? Eu tenho minhas dúvidas...

Assim que chegam na casa de Roger e Carolyn, Ed e Lorraine percebem que algo de estranho existe no ambiente. Realizando uma pesquisa minuciosa sobre a casa, Lorraine descobre que os Perron não estavam enfrentando aqueles problemas por acaso: construída em 1863, aconteceram coisas horríveis na casa e em suas redondezas. O longa vai inserindo uma série de elementos que conseguem nos deixar apreensivos, algo que qualquer espectador de filme de terror quer sentir durante a experiência. De fato, é um filme surpreendente e muito bem produzido.


Considerações finais
Invocação do Mal repete a clássica fórmula dos filmes de terror: uma família muda para uma nova casa, geralmente composta por dois andares, com presença de um sótão ou porão, e coisas estranhas começam a acontecer durante a noite. O roteiro escrito por Chad Hayes e Carey W. Hayes pode até não ser original, mas apresenta uma história coesa e com boas referências ao caso da boneca Annabelle (início) e os acontecimentos em Amityville (final), ambos também investigados por Ed e Lorraine Warren, os protagonistas do filme. A história é baseada em fatos reais e no final temos algumas fotografias e recortes de jornais relacionadas com o caso retratado no longa.

Em 112 minutos, a película cumpre muito bem aquilo que propõe: criar uma sensação de incômodo em quem está assistindo. Isso é alcançado graças a uma série de fatores que o filme executa muito bem, a começar pelo ambiente em que a maioria de suas cenas é filmada: cheia de portas, à noite a casa dos Perron oferece múltiplas possibilidades para que fenômenos estranhos no ambiente sejam reatados. Mas nem tudo acontece dentro da casa: uma das melhores cenas do filme acontece justamente na parte exterior da residência. A junção da fotografia (com variados ângulos), direção e trilha sonora resulta em excelentes momentos de suspense e uma boa dose de cenas capazes de provocar sustos. Destaque positivo também para as excelentes atuações do elenco. Lançado em 2013, Invocação do Mal certamente é um dos melhores filmes do gênero produzido nos últimos anos


Nota
★★★★★ - 5 - Excelente

➜ Você pode ver análises de outros filmes clicando aqui.