Memórias póstumas de Brás Cubas certamente é um dos maiores clássicos literatura brasileira. No último dia 2 de junho, a editora Penguin lançou uma nova tradução para o inglês da obra de Machado de Assis e o sucesso foi imediato. Em um dia, o romance já se encontrava esgoto em duas das maiores revendedoras de livros nos EUA, a Amazon e a Barnes and Noble.

A versão física do livro seguia esgotada nas duas lojas até ontem (5), mas estava disponível em livrarias menores e independentes, segundo a tradutora Flora Thomson-DeVeaux, responsável pelo lançamento.

"Eu sei perfeitamente que é um momento estranho para celebrar o lançamento de um livro, mas eu não teria dedicado anos da minha vida a traduzir este aqui se não estivesse convencida de que é um romance eterno", disse a tradutora em seu perfil no Twitter.


Apesar do momento complicado, marcado pela pandemia do novo coronavírus (covid-19) e de uma série de protestos antirracistas, a tradutora mencionou que esse pode ser um bom momento para conhecer a obra do autor brasileiro. "Também é uma obra de nosso tempo. Há ecos – troque a febre amarela por Covid. E há continuidade – racismo sistêmico, tão pungente hoje quanto era na década de 1880".