A LG informou, nesta segunda-feira (5), que está encerrando a sua divisão mobile em nível global. A retirada da sul-coreana do mercado de celulares já foi aprovada pelo conselho administrativo e deve ser concretizada até o dia 31 de julho deste ano. A decisão foi tomada após a empresa acumular vinte e três trimestres de prejuízos no setor de telefonia móvel.

Atividades como suporte ao consumidor e atualizações de software vão permanecer por um determinado período, que variará de acordo com cada região. A empresa deve fornecer maiores detalhes em breve. O estoque atual de smartphones continuará disponível para venda.

Confira o comunicado feito pela divisão brasileira:

Desde o segundo semestre de 2015, o nosso negócio global de celulares tem sofrido uma perda operacional por 23 trimestres consecutivos, resultando em um acumulado de aproximadamente 4,1 bilhões de dólares (US) até o final de 2020.

Depois de avaliar todas as possibilidades para o futuro do nosso negócio de celulares, o Headquarter Global decidiu por fechar esta divisão a fim de fortalecer sua competitividade futura por meio de seleção e foco estratégico.

Como uma companhia que valoriza profundamente a contribuição de cada funcionário, cliente e parceiro LG, nós comunicaremos de forma aberta e transparente durante este processo, buscando uma abordagem justa e pragmática, enquanto atendemos as obrigações jurídicas.

É com tristeza que compartilhamos esta notícia com os nossos clientes e parceiros que ao longo de todos estes anos nos demonstraram confiança e nos deram apoio.

A LG Electronics do Brasil agradece vocês e irá se concentrar fortemente em seus negócios de modo a continuar a fornecer produtos e serviços inovadores que tornarão a vida melhor.

A LG não forneceu detalhes sobre o futuro da sua fábrica em Taubaté, no interior de São Paulo, unidade responsável pela produção dos smartphones no Brasil, deixando 400 funcionários da planta com o futuro indefinido. De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, além deles existem ainda outros 430 funcionários, de três fábricas terceirizadas exclusivas da LG, que também podem ser afetados.

Rumores sobre a saída da sul-coreana do mercado de celulares ganharam forças no começo de 2021. No fim do ano passado, a companhia já havia terceirizado a produção de smartphones intermediários. A LG até tentou vender a sua divisão para alguma empresa, mas nenhum comprador foi encontrado.