Análise do jogo Horizon Chase 2


Em 2015, a desenvolvedora brasileira Aquiris Game Studio lançou no iOS e Android um jogo inspirado em Top Gear. Incorporando a essência do clássico do Super Nintendo e apresentando um visual modernizado, Horizon Chase logo chamou a atenção por oferecer uma experiência com sabor nostálgico, além de proporcionar aos jogadores mais novos a possibilidade de conhecer um estilo de jogo de corrida diferente dos títulos tradicionais. O sucesso foi tanto que, em 2018, o game ganhou uma versão melhorada para PC e consoles, intitulada Horizon Chase Turbo. De lá para cá, o estúdio recebeu investimento da Epic Games e posteriormente acabou sendo adquirido pela companhia estadunidense. Com um maior orçamento à sua disposição, a Aquiris desenvolveu uma sequência.

Originalmente disponibilizado para Apple Arcade em 2022, Horizon Chase 2 começou a desembarcar em novas plataformas neste ano, possibilitando que um número maior de pessoas tenha acesso ao jogo. Logo no meu contato inicial, a parte visual me deixou impressionado. Com cores vibrantes, os ambientes estão muito mais trabalhados e detalhados, é perceptível que houve um cuidado especial ao criar cada elemento das pistas. No decorrer dos traçados, podemos facilmente reconhecer pontos famosos dos locais em que as corridas são ambientadas. A melhoria de qualidade também é vista nos veículos, que seguem a mesma linha de evolução e estão bem mais bonitos do que os vistos no seu predecessor. Em outras palavras, graficamente é nítido que o título aperfeiçoou tudo o que foi feito anteriormente.

Ainda falando do visual, uma novidade de Horizon Chase 2 é a presença do clima dinâmico em algumas pistas. Correr presenciando a chegada de tempestades de areia e neve proporcionam uma experiência totalmente diferente das corridas tradicionais. Outra coisa que notei é que o game consegue passar uma melhor sensação de velocidade, logicamente dentro da sua proposta. A parte gráfica é complementada pela excelente trilha sonora, que novamente é assinada pelo compositor inglês Barry Leitch.

Houve também um aprimoramento na jogabilidade: os veículos atendem melhor os comandos que são dados pelo jogador e agora bater nos oponentes e obstáculos não gera um grande prejuízo, possibilitando uma recuperação mais tranquila. Embora as mecânicas sejam simples, podemos sentir diferença no gameplay de acordo com o carro que pilotamos. Ao contrário do seu antecessor, não há mais a necessidade de coletar galões de combustível para manter o tanque cheio, os únicos itens presentes nas pistas são as moedas azuis, que são utilizadas para liberar as melhorias, e os tanques ou fragmentos de ntiro.

Horizon Chase 2 apresenta um grau de dificuldade que acompanha a progressão do jogador: no começo é fácil ganhar as corridas, mas conforme avançamos as pistas largas vão dando espaço a traçados estreitos e com curvas acentuadas, locais em que é fácil cometer erros. A inteligência artificial dos pilotos está bem calibrada e não notei nenhum tipo de desbalanceamento que pudesse prejudicar o jogador.

No modo campanha, chamado de Volta ao Mundo, somos levados a competir nos Estados Unidos, Brasil, Marrocos, Itália, Tailândia e Japão. As pistas de melhoria e as corridas bônus deixaram de existir e agora temos a presença de corridas contra o tempo, que como o próprio nome sugere, exige que atinjamos uma marca temporal pré-estabelecida. Completando as provas, desbloqueamos pontos de experiência e créditos para subir o nível dos veículos e melhorá-los. Com os créditos podemos modificar os automóveis adquirindo novas pinturas, carrocerias e rodas. As opções de personalização são legais, mas gostaria que houvesse uma maior quantidade de carros.

Outro modo de jogo que também está de volta são os torneios, competições rápidas divididas nos níveis amador, profissional e master. Desbloqueados conforme progredimos na Volta ao Mundo, os torneios funcionam como minicampeonatos, compostos por quatro corridas, e para vencê-los é preciso ocupar a primeira colocação na tabela de classificação após a última prova. Concluindo cada torneio, liberamos novas opções de pinturas para comprar. Já no modo Playground é possível disputar corridas online contra outros players e completar desafios.

A grande novidade de Horizon Chase 2 é sem dúvidas a adição do recurso online. O multijogador permite que formemos equipes com até quatro pessoas para competir localmente, em tela dividida, ou via internet. Como o título é crossplay, usuários de diferentes plataformas podem jogar juntos sem nenhum tipo de barreira. O processo é bem simples, basta criar uma equipe e informar aos outros jogadores o código para que eles consigam ingressar. Durante os testes para a análise, inicialmente enfrentamos alguns problemas de desconexão automática, mas depois conseguimos disputar várias provas em sequência, sem qualquer contratempo. Com o multijogador é possível jogar os três modos que estão disponíveis.

Horizon Chase 2 está disponível para Apple Arcade, PC e Nintendo Switch. Esta análise foi feita com base na versão de PC com uma cópia que nos foi fornecida pela Aquiris Game Studio.


Considerações finais
Evolução é um bom termo para definir Horizon Chase 2 em apenas uma palavra. Sem perder a essência da fórmula, a talentosa equipe da Aquiris entregou uma sequência que aperfeiçoou tudo o que foi feito no primeiro jogo da franquia. A parte visual talvez seja o elemento que mais se destaca, mas junto com ela foram feitas alterações na jogabilidade que proporcionam uma experiência mais agradável. Mesmo com um maior grau de acessibilidade, o título consegue proporcionar uma boa dose de desafio, principalmente nas corridas contra o tempo.

A inclusão do modo online foi um recurso muito bem-vindo, já que a presença dos amigos torna tudo ainda mais divertido. Com muitas corridas e competições, a campanha e os torneios são garantia de boas horas de jogatina. Tirando os problemas de conexão ao tentar criar os grupos, não tive nenhum outro contratempo com o game. Honrando clássicos do passado, Horizon Chase 2 é a prova de que é possível seguir em frente sem deixar de lado suas raízes.

Nota
★★★★☆ - 4 - Ótimo


➜ Você pode ler análises de outros games clicando aqui.
Herbert Viana

Criador e editor do Portal E7, Herbert é advogado, amante de games e séries. Gamertag/ID: "HerbertVFV". twitter

O que achou desta postagem? Encontrou algum erro? Compartilhe sua opinião!

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem

Publicidade