Pneuma: Breath of Life é um jogo independente de puzzle, com visão em primeira pessoa, que apresenta uma espécie de aventura filosófica. O jogador assume o papel de uma entidade que se autoproclama um deus. Nenhuma imagem do protagonista é apresentada, o único contato que se tem como ele é a sua voz.

Despertando em um mundo supostamente criado por ele, o personagem admira o que está ao seu redor ao mesmo tempo que questiona a existência do seu ser. Constantes reflexões são feitas (muitas delas egocêntricas), o que chega até a incomodar um pouco. Muitas vezes você quer apenas avançar no jogo, mas o personagem está lá falando. Como é um jogo que exige total atenção do jogador, pode ser que você tenha que parar, escutar o que o personagem está falando, para só então conseguir pensar no puzzle.

O objetivo do game é sair de um ponto e chegar até outro. Grande parte dos quebra-cabeças giram em torno percepção e do que o jogador escolhe para olhar. Vários dos desafios envolvem a interação com olhos espalhados pelo cenário: para avançar o jogador deve olhar (ou não) para eles para conseguir abrir uma porta. Isso é feito de uma forma bem intuitiva, basta girar o campo de visão para que a interação seja feita.

As mecânicas dos puzzles são bem variadas. Em algumas áreas é necessário mexer em alavancas, botões e olhar por meio de objetos especiais e formas geométricas presentes no ambiente. É uma boa experiência, fazendo constantemente com que o jogador repense como se deve interagir com o mundo do jogo.

Visualmente Pneuma: Breath of Life é um jogo muito bonito, apresentando cenários ricos em detalhes e iluminação boa iluminação. É um trabalho muito bem feito, principalmente se considerarmos que estamos diante de um jogo independente. A trilha sonora está presente durante todo o jogo, podendo ser considerada relaxante. São poucos os sons no mundo do game, mas alguns deles são importantes para que o jogador consiga resolver o quebra-cabeça. A voz do narrador é muito boa e consegue passar os sentimentos diversos do personagem. É uma pena que o jogo não esteja disponível em português.

Composto por seis capítulos, um prólogo e um epílogo, o jogo é bem curto e não possui nenhum fator de replay. O máximo que pode fazer com que o jogador retorne ao game é pegar alguma conquista deixada para trás, relacionadas com a resolução de puzzles secretos. Para facilitar esse tipo de ação, o jogo possui um modo de seleção de capítulos.

Desenvolvido pela Deco Digital e pelo Bevel Studios, Pneuma: Breath of Life está disponível para Windows, Xbox One e PlayStation 4. Esta análise foi feita com base na versão para Xbox One.


Considerações finais
Visualmente muito bonito, o game apresenta puzzles que exploram mecânicas pouco comuns. Tudo é uma questão de perspectiva: o que o jogador vê ou não vê influencia diretamente na resolução dos desafios propostos. O grau de dificuldade de Pneuma: Breath of Life é bem moderado: você certamente ficará preso em alguma parte do game, e, quando descobrir a solução, verá que se tratava de algo extremamente simples.

Em relação à narrativa, o jogo busca levantar algumas reflexões, que muitas vezes acabam ficando em segundo plano graças aos puzzles. Apesar das falas do protagonista serem repetitivas (e em alguns momentos um pouco longas), o game apresenta um desfecho bem interessante. Sendo bem curto, Pneuma: Breath of Life pode ser finalizado em cerca de 2 horas.

Nota
★★★☆☆ - 3 - Bom