Conforme explicado na análise da parte 1La Casa de Papel teve a sua primeira temporada reeditada pela Netflix, que a dividiu em duas partes. Esta análise tem como base os 9 episódios da segunda parte, que correspondem aos episódios 10 a 15 da sua exibição original, no canal espanhol Antena 3.

Com a polícia chegando até a residência onde os assaltantes estavam preparando o roubo, uma pergunta permanecia no ar: depois de o Professor (Álvaro Morte) prever praticamente todos os passos da polícia, teria ele deixado uma coleção de provas totalmente desprotegidas, esperando para serem descobertas? Obviamente que não, mas a possibilidade da polícia encontrar partículas de provas na chaminé de uma lareira leva o professor a tomar atitudes extremas.

O relacionamento do Professor com a Inspetora Murillo (Itziar Ituño) faz com que ele fique horas sem fazer chamadas de controle com o grupo, o que acirra os ânimos dos assaltantes. Para piorar o clima dentro da Casa da Moeda, o Professor é visto na TV cercado de policiais, bem em frente à casa onde o grupo morou por meses, levando Tóquio (Úrsula Corberó) a tomar uma atitude drástica contra Berlim (Paco Tous).

Com isso, Tóquio é amarrada em uma mesa e acaba sendo entregue a polícia. As tensões aumentam ainda mais, deixando Rio (Miguel Herrán) totalmente desequilibrado. Quando o Professor finalmente faz contato com os assaltantes, Nairobi (Alba Flores) informa a situação vivida por eles e resolve assumir o comando dos assaltantes.

A situação também piora entre os membros da polícia, que cada vez entendem menos as ações do grupo. Com o subinspetor Ángel Rubio (Fernando Soto) em coma, a notícia que o mesmo tinha descoberto quem estava auxiliando os assaltantes fora da Casa da Moeda pega toda a equipe de surpresa. Vale lembrar que Raquel afastou Ángel do caso por suspeitar que ele estava repassando informações para os assaltantes.

Em meio a uma enxurrada de tensões, o grupo e o Professor passam os piores momentos de todo o assalto na reta final desta segunda parte. Mais do que nunca é necessário agir o mais rápido possível para manter o plano em pé. A corrida contra o tempo chega ao seu limite.

O enredo da série é legal, mas possui alguns momentos bem fora da realidade. O ponto alto da série é sem dúvidas os seus personagens: certamente você terá os seus favoritos, assim como sentirá um enorme ódio com outros. Fato é que a presença de todos eles é que fazem a série se destacar.


Considerações finais
Sem dúvidas alguma esta segunda parte é muito mais intensa do que a primeira. Se a série já conseguia criar uma expectativa para o próximo episódio, aqui dá vontade de assistir tudo de uma só vez. Apesar de possuir algumas cenas surreais e pequenos furos no enredo, La Casa de Papel sem dúvidas conseguiu deixar sua marca: personagens marcantes e cheios de personalidade, enredo com boas reviravoltas e atuação de alto nível por parte dos atores fizeram com que a série espanhola ganhasse uma popularidade inesperada.

O desfecho da série coloca um ponto final na história, mas pode não agradar a todos: prepare-se para se deparar com cenas bem novelizadas. Eu particularmente gostei do desfecho dado por Álex Pina, criador da série. Com a terceira parte confirmada pela Netflix, fica a curiosidade para saber qual rumo a série seguirá.

Nota
★★★★☆ - 4 - Ótimo


Veja mais sobre La Casa de Papel:
└ 10 curiosidades sobre a série La Casa de Papel
└ Análise da série La Casa de Papel (Parte 1)
└ Análise da série La Casa de Papel (Parte 3)