A segunda temporada de Narcos inicia-se no exato momento em que terminou a primeira. Depois de ter conseguido fugir da prisão de La Catedral, um grupo de soldados se depara com Pablo Escobar (Wagner Moura) e seus capangas ainda no perímetro da prisão, mas nada fazem com o líder do Cartel de Medelim. Agora, foragido do governo Colombiano, Pablo precisa se reinventar para fugir da polícia e controlar todo o negócio da cocaína.

Visando facilitar sua locomoção, Pablo, por intermédio de La Quica (Diego Cataño), contrata Limón (Leynar Gómez) como motorista particular. Como Lemon era dono de um táxi, ele acaba pagando para que sua amiga de infância Maritza (Martina García) seja falsa passageira, enquanto carrega Escobar no porta-malas do carro. Maritza sofrerá diretamente com as consequências do papel que assumiu, principalmente após a polícia descobrir a nova forma de Escobar se locomover.

Enquanto isso, o Cartel de Cali forma uma aliança com os irmãos Castaño, Don Berna (Mauricio Cujar) e Judy Moncada (Cristina Umaña), cujo marido Kiko e o irmão Jaime foram assassinados por Escobar na primeira temporada. Como vingança, Judy quer acabar com a vida de Pablo. Seu primeiro passo é passar a localização dos laboratórios de Escobar para o grupo de busca. Como vingança, Escobar arma uma emboscada que resulta na morte de vários militares, incluindo o Coronel Horacio Carrillo (Maurice Compte), o oponente que causava maior medo no chefe do Cartel de Medelim.

Pablo acabou tendo muitas dores de cabeça com o surgimento de Los Pepes, grupo formado pelos irmãos Castaño, o Cartel de Cali, Judy Moncada e guerrilheiros anticomunistas. O império de Escobar começa a desmoronar aos poucos, a ponto de ele tentar retirar sua família da Colômbia. Sua mãe, esposa e filhos chegam a viajar até a Alemanha, mas manobras do governo colombiano, com apoio dos Estados Unidos, impede que a família Escobar permaneça no país. Apesar de voltarem para a Colômbia, eles acabam conseguindo proteção especial, graças as inúmeras ameaças feitas por Escobar.

Se a primeira temporada foi marcada por cenas de sexo e violência, o segundo ano de Narcos foca apenas nas cenas de violência, retratando muito bem o estrago que a guerra das drogas causou na Colômbia. Os vários ataques provocados por Escobar e Los Pepes faz com que a popularidade de Pablo caia entre a população: agora até mesmo o povo colombiano queria a prisão de Escobar. Com relação aos agentes do DEA, Steve Murphy (Boyd Holbrook) e Javier Peña (Pedro Pascal) agora possuem uma nova chefe, que acaba limitando as suas ações. Os Estados Unidos também enviam um novo embaixador para a Colômbia. Murphy continua tendo participações especiais nas operações militares e fazendo as narrações da série, ao passo que Peña começa a ter um envolvimento com Los Pepes, conseguindo e obtendo informações privilegiadas.

Esta segunda temporada tem um foco muito maior em Pablo, tentando mostrar um lado mais humano do traficante. Os três episódios finais praticamente romantizam os últimos momentos daquele que chegou a ser um dos homens mais ricos do mundo. Sem dinheiro, sem homens para lhe defender e longe de sua família, a série constrói um final melancólico para Pablo: aquele que tinha tudo acabou no fim ficando com nada.


Considerações finais
Se tem algo muito bem executado em Narcos são as cenas de ação, perseguição e tiroteio, mostrando o excelente trabalho de fotografia da série. Constantemente, as imagens da série são misturadas com cenas reais, retratando claramente a quantidade de sangue que foi derramado no meio da guerra contra as drogas. Particularmente eu gostei mais desta segunda temporada, que acabou deixando as cenas de sexo de lado para realmente centrar-se na história de Pablo.

O elenco da série mais uma vez desempenha um excelente trabalho, com destaque especial para Wagner Moura, que realiza um show de interpretação; os vários momentos focados em Pablo permitem que percebamos o grande trabalho feito pelo ator. A ideia de contar toda a história de Pablo Escobar em 20 episódios (primeira + segunda temporada) mostrou-se muito acertada, não tornando a atração da Netflix uma série repetitiva. Vamos ver agora como Narcos se comportará mostrando os acontecimentos envolvendo o Cartel de Cali na sua terceira e última temporada.

Nota
★★★★★ - 5 - Excelente


Veja mais sobre Narcos:
└ Análise da série Narcos (1ª temporada)