Depois do sucesso de Hitman GO, a Square Enix decidiu levar uma de suas mais populares franquias para o estilo de puzzles em blocos ou quebra-cabeça em turnos, como preferir. Com isso, surgiu mais um interessante spin-off para a série Tomb Raider, que já contava com os games Lara Croft and the Guardian of Light e Lara Croft and the Temple of Osiris, onde a famosa arqueóloga é inserida em novas experiência de gameplay.

Em Lara Croft GO, o jogador é levado até um mundo há muito tempo abandonado, onde Lara enfrenta ruínas de uma antiga civilização, enquanto descobre segredos e encara desafios mortais para revelar o mito da Rainha do Veneno. Todos esses detalhes estão presentes na sinopse do game, já que o jogo em si não possui nenhum tipo de narrativa em texto, sendo toda a sua história contada apenas com imagens.

Como já mencionado anteriormente, trata-se de um game de puzzle em blocos. Lara já tem os caminhos predefinidos pelos quais pode percorrer dentro de cada nível. Enquanto a arqueóloga está parada, nada no mundo sofre alteração. Basta um simples movimento da personagem para que inimigos e lâminas metálicas mecânicas "ganhem vida". Ativar determinados mecanismos faz com que bolas de pedras gigantes rolem pelo cenário e destruam quase tudo o que estiver na frente. O sistema de turnos permite que o jogador analise a situação e planeje o melhor movimento a ser executado pela personagem, já que não há nenhum marcador de tempo que o obrigue a tomar decisões precipitadas.

Lara pode realizar ataques a curta distância com sua clássica pistola. Neste caso, as ações do jogador sempre devem ser feitas pelas laterais ou por trás dos inimigos (cobras e crocodilos). Tentar combatê-los pela frente certamente resultará na morte da personagem, já que os animais irão atacá-la. Já os ataques à longa distância podem ser feitos por meio de uma lança. Lara também pode utilizar uma tocha de fogo para repelir os inimigos, fazendo com que eles se desloquem para trás. Um ponto importante é que Lara tem sempre a pistola à sua disposição, ao contrário da lança e da tocha de fogo, que só estão presentes em locais predeterminados.

Além de andar, Lara pode escalar paredes, interagir com alavancas, barras, plataformas e pilares que podem ser por ela empurrados. Todos esses elementos são essenciais para que o jogador consiga desvendar os puzzles e avançar para o próximo nível. Se o jogador travar em alguma parte, ele pode utilizar do sistema de ajuda do game, que acaba mostrando quais movimentos devem serem feitos para que Lara consiga seguir sua jornada. Pelos cenários o estão espalhados fragmentos de relíquias e joias escondidos dentro de dentro de vasos, o que gera uma desafio extra para o game.

Na campanha principal os puzzles possuem um grau de dificuldade moderado, havendo pouquíssimos níveis em que os quebra-cabeças realmente são muito difíceis. Já no tocante às duas expansões lançadas, "A Caverna do Fogo" exige um grau de raciocínio maior do jogador, ao passo que "O Espelho dos Espíritos" segue o mesmo nível de dificuldade visto no jogo base. Ambas as expansões introduzem novas mecânicas ao game, o que é ótimo!

Artisticamente, Lara Croft GO possui um visual minimalista muito bonito, com cenários bem trabalhados. Um dos recursos disponíveis no menu do jogo é a personalização da personagem, podendo o jogador vestir Lara com alguns trajes conhecidos da personagem. Vale destacar que nós temos aqui a versão clássica da personagem, e não a Lara presente no reboot de 2013. A trilha sonora está presente durante todo o jogo, misturando-se com os sons do próprio ambiente. As faixas musicais são discretas e agradáveis.

O jogo pode ser jogado de duas formas, com o mouse/touch ou com o controle (logicamente em dispositivos que possibilitem esses dois modos de jogo). A experiência em aparelhos com telas sensíveis ao toque deve ser boa, mas jogar Lara Croft GO com mouse é cansativo e entediante, razão pela qual utilizei um controle durante minhas jogatinas. Infelizmente o game não tem uma movimentação muito precisa no controle, o que resulta, muitas vezes, na morte da personagem. Essa falha de movimentação é facilmente percebida nos momentos em que se deve utilizar a lança: muitas vezes arremessá-la em direção a um inimigo se torna um enorme desafio, o que gera um certo incômodo.

Desenvolvido pela Square Enix Montréal e lançado em 2015, Lara Croft GO está disponível para Android, iOS, Windows Phone, PlayStation 4, PlayStation Vita, Windows, macOS e Linux. Esta análise foi redigida com base na versão para Windows.


Considerações finais
Lara Croft GO é um jogo simples e desafiador de puzzles em turnos. Nele, o jogador pode testar suas capacidades de raciocínio lógico resolvendo quebra-cabeças em locais abandonados, onde há apenas a presença de animais e armadilhas. O visual minimalista é bonito e a trilha sonora é agradável.

O game, infelizmente, apresenta comandos imprecisos quando se está jogando com um controle, o que gera um incômodo, fazendo com que o jogador, muitas vezes, tenha que repetir determinados trechos das fezes. Por sorte, o sistema de loading é bem rápido. De resto, é um jogo divertido e muito bom para distrair nos momentos em que não queremos jogos muito elaborados para passar o tempo. Contanto com as duas expansões, Lara Croft GO possui mais de sessenta níveis, o que resulta em algumas boas horas de jogatina.

Nota
★★★★☆ - 4


Veja mais sobre a franquia Tomb Raider:
└ Análise do jogo Tomb Raider
└ Análise do jogo Rise of the Tomb Raider
└ Análise do jogo Shadow of the Tomb Raider
└ Análise do jogo Tomb Raider: Anniversary
└ Análise do jogo Lara Croft and the Temple of Osiris