Aqueles que adquirirem Resident Evil Village no seu lançamento receberão gratuitamente Resident Evil Re:Verse, um jogo multiplayer ambientado no universo da franquia. Mas afinal, o que faz a Capcom insistir tanto em fazer jogos multiplayers para Resident Evil, sendo que o público já deixou claro estar interessado somente em jogos single player da saga?
 
Todos sabemos que jogos online são uma forma muito boa dos estúdios ganharem bastante dinheiro, afinal, além de vender os jogos, as empresas também acabam faturando com microtransações e conteúdo extra. Esse tipo de conteúdo pode ser vendido durante vários anos, já que a vida útil de games multiplayer pode ser muito grande. 

A Capcom definitivamente não tem uma grande franquia de tiro para fazer um multiplayer. Monster Hunter: World e Street Fighter V podem até ter um online fortíssimo, porém são os jogos de tiro que vem tendo mais destaque nos últimos anos no cenário online, conseguindo tirar muito dinheiro dos players apenas vendendo skins para armas. 

Embora não seja uma série focada nos tiroteios, Resident Evil já recebeu alguns games mais puxados para esse estilo nos seus 25 anos de existência. Para a Capcom, lançar um grande multiplayer usando um nome tão popular como Resident Evil pode ser uma ideia genial, a questão é que parte da identidade da saga está no terror, o que é quase impossível de se manter em um jogo online.

Um game multiplayer de Resident Evil, além de perder completamente a essência da franquia, inevitavelmente não consegue atrair a atenção dos fãs, o que gerou fracassos como Umbrella Corps e Resident Evil: Resistence. O único brilho de Re:Verse é que ele trará os personagens clássicos da saga, mas o seu trailer não mostrou nada muito diferente das últimas tentativas da Capcom de empurrar um modo online na série. 


Mesmo sendo lançado gratuitamente junto com o remake de Resident Evil 3, Resident Evil: Resistence foi um desastre, o que não nos leva a ter grandes esperanças com Re:Verse. Talvez se Resident Evil Village se sair um pouco melhor do que o seu antecessor, o multiplayer que o acompanha pode até ter um pouco mais de jogadores, mais dificilmente deve conseguir prendê-los.
 
Levando em conta que Resident Evil já tem uma fanbase extremamente difícil de se agradar, um projeto multiplayer muito diferente é um verdadeiro tiro no pé. Mesmo que milagrosamente algum dia consigam fazer um Resident Evil multiplayer que mantenha a essência da saga, os fãs estão tão divididos sobre o que querem que provavelmente ele também não conseguirá se sustentar por muito tempo. O que a Capcom precisa agora é unificar seus fãs para, no futuro, talvez investir em algo online que possa realmente vingar.